Enem 2017 - Questão 104 (Caderno 7 - Azul - 2ª Aplicação)

(Enem 2017) O debate a respeito da natureza da luz perdurou por séculos, oscilando entre a teoria corpuscular e a teoria ondulatória. No início do século XIX, Thomas Young, com a finalidade de auxiliar na discussão, realizou o experimento apresentado de forma simplificada na figura. Nele, um feixe de luz monocromático passa por dois anteparos com fendas muito pequenas. No primeiro anteparo há uma fenda e no segundo, duas fendas. Após passar pelo segundo conjunto de fendas, a luz forma um padrão com franjas claras e escuras.

SILVA, F. W. O. A evolução da teoria ondulatória da luz e os livros didáticos.
Revista Brasileira de Ensino de Física, n. 1, 2007 (adaptado).

Com esse experimento, Young forneceu fortes argumentos para uma interpretação a respeito da natureza da luz, baseada em uma teoria


Imediatamente após incidir sobre o primeiro anteparo, um ponto de luz atravessará a fenda e se comportará como uma nova fonte pontual de luz. É o comportamento difrativo esperado pela teoria ondulatória: cada ponto da frente de onda deve se comportar como uma nova fonte pontual de luz.

O padrão de franjas claras e escuras obtido a partir do segundo conjunto de fendas é devido à interação entre as ondas geradas pelas duas novas fontes pontuais de luz. Na ondulatória, esse fenômeno é conhecido como interferência.

Imagem: Enem 2017 (adaptado).

Resposta: e

Postar um comentário